Autismo

Transtorno do Espectro do Autismo

O que é Transtorno do Espectro do Autismo?

As crianças com Transtorno do Espectro do Autismo apresentam variados déficits na comunicação em múltiplos contextos, dependendo do desenvolvimento social e intelectual de cada uma. Os níveis podem variar de acordo com as habilidades de comunicação verbais e não verbais.

A maior parte das crianças autistas apresentam dificuldades em utilizar a linguagem. Até mesmo aquelas crianças que não tem problemas em articular as palavras, exibem dificuldades no uso da linguagem pragmática como saber o que dizer, como dizer e com intenção comunicativa e funcionalidade.

Desta forma, a terapia fonoaudiológica deve partir do ponto no qual as habilidades linguísticas da criança se encontram.

Qual a causa do Transtorno do Espectro do Autismo?

Até o momento não há uma causa específica definida para o Transtorno. No entanto, existem fatores de risco ambientais, genéticos e fisiológicos. Dentre os fatores ambientais, temos idade avançada dos pais e baixo peso ao nascer. Quanto aos fatores genéticos e fisiológicos, até 15% dos casos estão associados a uma mutação genética conhecida. Além disso, o Transtorno do Espectro Autista é diagnosticado quatro vezes mais frequentemente no sexo masculino do que no feminino.

Quando procurar um fonoaudiólogo?

Em torno do primeiro ano de vida, antes mesmo do surgimento da fala, os pais devem ficar atentos aos comportamentos comunicativos, aqueles que garantem a interação entre a criança e os adultos, por exemplo a presença do sorriso social, o contato visual e a imitação.

Caso a criança demonstre inabilidades nas áreas da Comunicação Social e/ou apresente interesses restritos, deve-se buscar o fonoaudiólogo para que seja possível traçar um perfil individualizado de habilidades e dificuldades que fundamente uma proposta de intervenção especificamente delineada para cada caso.

Qual a atuação do fonoaudiólogo nestes casos?

A intervenção fonoaudiológica precoce e individualizada é fundamental para que o quadro clínico de cada indivíduo com TEA evolua. O fonoaudiólogo é o profissional que acompanhará o desenvolvimento de sua linguagem receptiva e expressiva, oral, gestual e escrita, capacitando-o para compreender, realizar demandas e agir sobre o ambiente que o cerca.

A terapia fonoaudiológica poderá incluir como embasamento o método DENVER de Intervenção Precoce (ESDM), desenvolvido pelo MIND Institute da Universidade da Califórnia. Além disso, poderá utilizar o recurso PECS (Picture Exchange Communication System), um sistema de comunicação alternativa com figuras, dentre outros métodos específicos e baseados em evidências científicas, buscando continuamente o desenvolvimento da linguagem e da comunicação com enfoque na interação social.

Referências:

  • Associação Americana de Psiquiatria. Manual Diagnóstico e Estatístico dos Distúrbios Mentais -DSM-IV-TR. 4. ed. Revisado, 2003.
  • Bondy, A.; Frost, L. The Picture Exchange Communication System. Behavior Modification, 2001.  
  • Fernandes FDM. Diagnóstico e terapia de linguagem com crianças com transtornos do espectro autístico. In: Fernandes FDM, Mendes BCA, Navas ALPG. Tratado de fonoaudiologia. 2. ed. São Paulo: Editora Roca; 2009. p. 362-72. 
  • Fernandes FDM. Terapia de linguagem em crianças com transtornos do espectro autístico. In: Ferreira LP, Befi-Lopes DM, Limongi SCO, organizadores. Tratado de fonoaudiologia. São Paulo: Editora Roca; 2004. p.941-53.
  • Rogers. J, S., Dawson. G. Intervenção precoce em criança com autismo: Modelo Denver para a promoção da linguagem, da aprendizagem e da socialização. New York- Lidel, 2010.

Sites:

Facebook
Instagram